Atividade Número Par e Ímpar Matemática para Ensino Fundamental

Atividade Número Par e Ímpar Matemática para Ensino Fundamental
Atividade Número Par e Ímpar Matemática para Ensino Fundamental
Atividades de matemática para trabalhar com alunos do ensino fundamental.
Com essas atividades será trabalhado números pares e ímpares, a diferença entre eles e organização. Com questão de pintura coordenada, e de contagem e registro os alunos poderão, enquanto aprendem também a ordem dos número, diferenciar os pares e ímpares.

Outras atividades:

Atividades Dúzia e Meia Dúzia Matemática para Ensino Fundamental

Atividades Dúzia e Meia Dúzia Matemática para Ensino Fundamental
Atividades Dúzia e Meia Dúzia Matemática para Ensino Fundamental

Atividades educativas da matéria de  matemática para trabalhar com alunos do ensino fundamental. 
Com essas atividades os alunos poderão aprender conceito de dúzia e meia dúzia, a partir de questões de desenhos e também pintura, além de questão com conjuntos.
Será  possível discutir sobre a diferença entre dúzia e dezena 

Outras atividades:

Plano de Ensino 3° Ano Ensino Fundamental

PLANO DE ENSINO

3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL

Plano Anual 3° Ano Ensino Fundamental

Elaboração Professora: Fernanda de Melo Gerez

MATEMÁTICA
                      A matemática está presente em praticamente tudo com maior ou menor complexidade. Perceber isso é compreender o mundo à sua volta e poder atuar nele. E a todos, indistintamente, deve ser dada essa possibilidade de compreensão e atuação. Em casa, na rua, nas várias profissões, na cidade, no campo, nas várias culturas, o homem necessita contar, calcular, comparar, medir, localizar, representar, interpretar, etc., e o faz informalmente, à sua maneira, com base em parâmetros do seu contexto sociocultural. Em uma sociedade de conhecimento e da comunicação, como a do terceiro milênio, é preciso que desde os anos iniciais os alunos comecem a comunicar idéias,
procedimentos e atitudes matemáticos, falando, dramatizando, escrevendo, desenhando, representando, construindo tabelas, diagramas e gráficos e fazendo pequenas estimativas. Assim, o trabalho escolar diminuirá a distância entre a matemática da sala de aula e a matemática da vida.

OBJETIVOS:

                                                 
·        Ampliar o significado de número natural pelo seu uso em situações problema e pelo reconhecimento de relações e regularidades.
·        Construir o significado do número racional e de suas representações (fracionárias e decimal), a partir de seus diferentes usos no contexto social.
·        Interpretar e produzir escritas numéricas, considerando as regras do sistema de numeração decimal e estendendo-as para a ---representação dos números racionais na forma decimal.
·        Utilizar diferentes registros gráficos – desenhos, esquemas, escritas numéricas – como recursos  para expressar idéias , ajudar a descobrir formas de resolução e comunicar estratégias e resultados.
·        Identificar característica de figuras geométricas, percebendo semelhanças e diferenças entre elas por meio de composição, simetrias, ampliações e relações.
·        Recolher dados e informações, elaborar formas para organizá-los e expressá-los, interpretar dados apresentados sobre formas de tabelas e gráficos e valorizar essa linguagem como forma de comunicação.
·        Reconhecer dados sobre fatos e fenômenos cotidiano, utilizando procedimentos de organização, e expressar o resultado utilizando tabelas e gráficos.
·        Resolver situações problemas ,consolidando alguns significados das operações fundamentais e construindo novos em situações que envolvam números e em alguns casos, racionais.
·        Ampliar os procedimentos se cálculos  mental, escrito ,exato , aproximado pelo conhecimento de regularidades dos fatos fundamentais, de propriedades das operações e antecipação e verificação dos resultados.
·        Identificar características de acontecimentos previstos ou aleatórios a partir de situações -problema . utilizando recursos estatísticos e probabilidade
·        Refletir sobre procedimentos de cálculo que levam á ampliação do significado do número e das operações , utilizando a calculadora como estratégia de verificação de resultados.
·        Reconhecer e descrever formas geométricas, tridimensional e bidimensional.
·        Interpretar e construir representações espaciais (croquis, itinerário, maquetes) utilizando-se de elementos de referência e estabelecendo relações com eles.
·        Identificar características de figuras geométricas, percebendo semelhanças e diferenças entre elas por meio de composição, simetrias, ampliações e reduções.
·        Construir o significado de medidas, a partir de situações problema que expressem seu uso no contexto social e em outras áreas de conhecimento e possibilitem a comparação de grandezas da mesma natureza.
·        Utiliza procedimentos e instrumentos de medidas usuais ou não, selecionando os mais adequado em função de situações problema, e do grau de precisão e resultado.
·        Ampliação de repertório básico das operações com números naturais e racionais para o desenvolvimento de cálculo mental e escrito.
·        Medir e fazer estimativas sobre medidas, utilizando unidades e instrumentos de medidas mais usuais que melhor se ajustem à natureza  da medição realizada.
·        Representar resultados de medição, utilizando a terminologia convencional para as unidades mais usuais dos sistemas de medida, comparar com estimativas e estabelecer.
·        Identificar semelhanças e diferenças entre polígonos, usando critérios como números de lados, números de ângulos, eixos de simetria, etc.

CONTEÚDOS: Livro: UM JEITO DE APRENDER MATEMÁTICA

MATEMÁTICA  NO  COTIDIANO

·        Identificação  dos  números  naturais  e  racionais  no  contexto  diário e sua  função  social.
·        Histórico dos  números- comparação   de  outros  sistema de  numeração  decimal  com  a numeração  indo-arábica.

SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL

·        Compreensão  e utilização das  regras   do  sistema de numeração  decimal,  para leitura, escrita, comparação  de números naturais, até  a 6ª ordem.
·        Observação  dos  princípios decimal  posicional  e  aditivo
·        -composição e decomposição  de quantidades
·        Ampliação da  decomposição  da  escrita  numérica para a realização  de cálculo mental, escrito, exato  e aproximado.
·        Quantificação  de elementos utilizando  estratégias: estimativas, agrupamentos  e   relações  de troca.
·        Cálculos  das  quatro  operações com números naturais ( adição  e subtração com números de três  algarismos  em diante;  multiplicação e divisão com um algarismo)
·        Reconhecimento  de situações-problema, compreendendo que a mesma operação está  relacionada com problemas diferentes e que  um mesmo problema  pode ser  resolvido  usando  diferentes raciocínios.
·        Resolução de situações-problema construindo à partir delas  os  significados  das quatro operações para os  números naturais.
·        Cálculos  das quatro  operações com números naturais ( adição  e  subtração  com números  de três algarismos  em diante;  multiplicação com até  dois algarismos, divisão  com  um algarismo)
·        Dividindo o inteiro  em partes: leitura  e interpretação  de dados  contidos  em  imagens.
·        Exploração  da idéia  da probabilidade  em situações-problema  simples, identificando  sucessos  possíveis,  sucessos  seguros e situações  de sorte.
·        Divisão  por  dois  algarismos: identificação  de características  de  acontecimentos  possíveis ou aleatórios  à  partir  de situações- problema  utilizando  estatística  e probabilidade.

ESPAÇO E FORMA

·        Análise  sobre diferentes  pontos  de vista,  da  posição  de objetos  e pessoas  no espaço.
·        Utilização  de malhas  ou  redes  para  representar  no  plano  a  posição  de uma pessoa  ou de um objeto.
·        Construção  de mosaico  reconhecendo  formas  geométricas.
·        Representação  do espaço  por  meio   de maquete.
·        Reconhecimento  de  semelhanças  e diferenças entre  corpos  redondos e  poliedros.
·        Exploração  das  planificações  de figuras  tridimensionais ( ampliação  e  redução  de  figuras).
·        Reconhecimento  de  que  as figuras  planas  são  contornos  das  figuras .  tridimensionais  e  sua  nomenclatura  ( polígono ).

GRANDEZAS  E  MEDIDAS

·        Sistema Monetário: comparação de outros sistemas monetários com o sistema. monetário  brasileiro,  bem como sua utilização  no cotidiano.
·        Utilização do sistema  monetário brasileiro  no cotidiano.
·        Comparação  de grandezas  da  mesma  natureza,  com escolha  da mesma  unidade de  medida  da  mesma  espécie  de atributo  a ser  mensurado.
·        Identificação  de grandezas  mensuráveis no contexto  diário:  métrico (a unidade fundamental    , o  km  e o cm).
·        Utilização  do  sistema  monetário brasileiro em situações-problema.
·        Estabelecimento  das  relações entre  as unidades  usuais de   medidas  da mesma grandeza.
·        Comparação  de grandezas  da  mesma  natureza,   com  escolha  de  medida  da  mesma   espécie  do  atributo  a ser  mensurado.
·        Identificação  de grandezas  mensuráveis  no contexto  diário:  massa 
     ( a unidade  fundamental  g,  o  kg  e  o  mg  /   uso  de  bulas ).
·        Reconhecimento  e  utilização da  medida  de  tempo, utilizando  conversões  simples.
·        Utilização  do  sistema  monetário  brasileiro  em situações-problema,  com  estabelecimento  das  relações  entre  as  relações usuais de  medidas  da mesma grandeza.

TRATAMENTO  DA  INFORMAÇÃO

·        Coleta,  organização,  leitura  e interpretação  de gráficos e tabelas.
·        Identificação  das possíveis  maneiras  de  combinar  elementos  de uma  coleção  usando  estratégias  pessoais.
·        Trabalho  com  materiais  concretos:  jogos,  ábaco,  material   dourado,  textos  informativos, fluxogramas  e atividades  experimentais.
·        Atividades Complementares, ditados e pesquisas

ESTRATÉGIAS

·        Cálculo de adição e subtração de números racionais na forma decimal, por meio de estratégias pessoais e pelo uso de técnicas operacionais convencionais.
·        Análise, interpretação, formulação e resolução de situações problema, compreendendo diferentes significados das operações envolvendo números naturais e racionais.
·        Desenvolvimentos de estratégias de verificação e controle de resultado pelo uso do cálculo mental e da calculadora.
·        Resolver problemas, consolidando alguns significados das operações     fundamentais e construindo novos em situações que envolvam números naturais e em alguns casos, racionais.
·        Descrição, interpretação, representação de posição de uma pessoa no espaço, de diferentes pontos de vista.
·        Descrição, interpretação e representação da movimentação de uma pessoa ou objeto no espaço e construção de itinerários.
·        Representação de espaço por meio de maquetes.
·        Reconhecimento de semelhanças e diferenças entre corpos redondos, como a esfera, o cone, o cilindro e outros.
·        Comparação de grandezas da mesma natureza, com escolha se uma unidade de medida da mesma espécie do atributo a ser mensurado.
·        Identificação de grandezas mensuráveis no contexto diário: comprimento, massa, capacidade, superfície, etc.
·        Reconhecimento e utilização de unidades usuais de medida como régua e fita métrica.
·        Produzir textos escritos, a partir se interpretações de gráficos e tabelas, construir de gráficos e tabelas com base em informações contidas em textos jornalísticos, científicos e outros.
·        Jogos.                       
·        Análise, interpretação, formulação e resolução de situações problema, compreendendo diferentes significados das operações envolvendo números naturais e racionais.
·        Ampliar o significado de numero natural pelo seu uso em situações-problema e pelo reconhecimento de relações e regularidades.
·        Reconhecimento de que diferentes situações - problema pode ser resolvido por uma única operação e que diferentes operações podem resolver uns mesmo problemas.
·        Resolver problemas, consolidando alguns significados das  4 operações     fundamentais e construindo novos em situações que envolvam números naturais e  racionais.
·        Identificação de grandezas mensuráveis no contexto diário: comprimento, capacidade superfície, etc.
·        Reconhecimento e utilização de unidades de medidas como metro, centímetro , quilômetro , grama , miligrama, litro, mililitro, metro quadrado , alqueires.
·        Explorar idéia de probabilidade em situações – problema simples, identificando sucessos possíveis, sucessos seguros e as situações de “sorte”.
·        Utilização de informações dadas para avaliar.
·        Utilizar procedimentos e instrumentos de medidas usuais ou não,selecionando o mais adequado em função de situações- problema  do grau de precisão e resultado.
·        Coleta e organização de dados.
·        Construção de tabelas.
·        Utilização de unidades usuais de tempo e de temperatura.
·        Utilização das medidas de tempo.
·        Leitura de tabelas e gráficos para obter informações.  

AVALIAÇÃO:

A Avaliação  será contínua, através de observação no desenvolvimento do aluno e através de registros que irão fazer parte do portifólio e avaliação escrita individual da criança. Durante o processo ensino-aprendizagem espera-se que o aluno seja capaz de:
·        Resolver situações-problema que envolva contagem, medidas, os significados das operações, utilizando estratégias pessoais de resolução e selecionando procedimentos de cálculo;
·        Ler, escrever números naturais e racionais, ordenar números naturais e racionais na forma decimal, pela interpretação do valor posicional de cada uma das ordens;
·        Realizar cálculos mentalmente e por escrito, envolvendo números naturais e racionais (apenas na representação decimal) e comprovar os resultados, por meio de estratégias de verificação;
·        Medir e fazer estimativas sobre medidas, utilizando unidades e instrumentos de medida mais usuais que melhor se ajustem à natureza da medição realizada;
·        Interpretar e construir representações espaciais (croquis, itinerários, maquetes), utilizando-se de elementos de referência e estabelecendo relações entre eles;
·        Reconhecer e descrever formas geométricas tridimensionais e bidimensionais;
·        Recolher dados sobre fatos e fenômenos do cotidiano, utilizando procedimentos de organização, e expressar o resultado utilizando tabelas e gráficos.
·        Compreender  através de ditado e roda de conversa para debates.


BIBLIOGRAFIA:


·        Coleção Recriação / Recreação Editora IBEP;
·        Coleção Maneira Lúdica de ensinar Editora FAPI;
·        Coleção Soletrando Projeto IEMAR;
·        Livro Projeto oficina de matemática promat Editora FTD;
·        Livro Um Jeito de aprender matemática Editora FTD;
·        Livro Projeto Pitanguá Editora Moderna;
·        Apostilas Dom Bosco e Objetivo;
·        Outras pesquisas e autores;
·        Internet.

“Este plano é flexível podendo haver alterações no decorrer do ano.”

PLANO DE ENSINO

3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL

Professora: Fernanda de Melo Gerez

CIÊNCIAS

                    A Natureza e a Sociedade é coerente que, ao falar dos elementos
que o ambiente sociocultural inclui, façamos referência às pessoas, aos objetos, aos instrumentos, às moradias, aos espaços nos quais transcorre a vida delas, a organização dessa vida em grupo, às atividades que realizam, por exemplo. Devemos, então, analisar a composição dos grupos humanos com os quais a criança interage em seu cotidiano: família, amigos, vizinhos, colegas de escola, do bairro ou da cidade onde mora. Evidentemente, para realizar tal estudo, o ponto de referência deverá ser sempre a própria criança. Isso implica, por um lado, sua dimensão pessoal: Quem sou? Como sou? De que necessito? Como me transformo? O que faço? Por outro lado, sua dimensão social: Como me identifico em relação aos outros? Com quem me relaciono? Quais são minhas responsabilidades? Assim, muitos dos conteúdos trabalhados em Natureza e Sociedade no Ensino fundamental não são novidade para as crianças. Elas já têm alguma idéia formada sobre eles, baseada no  senso comum. A tarefa da escola é fazer virem à tona esses conhecimentos prévios e trabalhar a partir deles, propondo perguntas e desafios, respondendo aos questionamentos, criando oportunidades de observação, despertando um olhar mais atento sobre aquilo que já tinha sido visto e, assim, ajudar o aluno a avançar. Propomos neste planejamento o desenvolvimento de trabalhos e experiências por meio dos quais ocorra a interação da criança com o meio natural e social.

OBJETIVOS:

·        Identificar e compreender as relações entre água, solo e seres vivos;
·        Compreender a importância dos modos adequados de destinação das águas fervidas para a promoção e manutenção da saúde;
·        Formular perguntas e suposições sobre o assunto em estudo;
·        Buscar e coletar informações por meio da observação direta e indireta, da experimentação, de entrevistas e visitas, conforme requer o assunto em estudo e sob orientação do professor;
·        Confrontar as suposições individuais e coletivas com as informações obtidas, respeitando as diferentes opiniões e reelaborando suas idéias diante das evidências apresentadas;
·        Organizar e registrar as informações por intermédio de desenhos, quadros, tabelas, esquemas, gráficos, listas, textos e maquetes, de acordo com as exigências do assunto em estudo, sob a orientação do professor;
·        Relacionar as mudanças de estados da água às trocas de calor entre o meio, identificando a amplitude de sua presença na natureza, muitas vezes misturadas a diferentes materiais.
·        Relacionar solo, água e seres vivos nos fenômenos de escoamento e erosão.
·        Identificar características, causas e conseqüências da poluição da água, do ar e do solo.
·        Identificar os processos de captação, distribuição e armazenamento da água e os modos domésticos de tratamento da água-fervura e adição de cloro, relacionando-os com as condições necessárias à preservação da saúde.
·        Valorizar a vida em sua diversidade e a preservação dos ambientes.
·        Identificar e descrever as condições de saneamento básico com relação a água e o lixo de sua região, relacionando-as a preservação da saúde.
·        Caracterizar espaços, estabelecer relações alimentares entre os seres vivos de um mesmo ambiente.
·        Estabelecer relações de dependência (cadeia alimentar) entre seres de diferentes ambientes.
·        Caracterizar materiais recicláveis e processo de tratamento de alguns materiais de lixo, matéria orgânica, papéis, plásticos, etc.
·        Responsabilizar-se no cuidado do espaço em que habita, incorporando hábitos necessários de alimentação e higiene no processo dos alimentos, de repouso e lazer adequados.

CONTEÚDOS:

·        Nosso ambiente.
·        Ambiente escolar.
·        Conservação do Meio ambiente.
·        A água no ambiente escolar.
·        Ainda a água.
·        Estados físicos da água.
·        A chuva.
·        O jardim e a horta.
·        Outros tipos de solo.
·        A importância do ar.
·        Atividades Complementares
·        Experiências, pesquisas e entrevistas.
  
ESTRATÉGIAS:

·        Estabelecimento de relações de calor e mudança de estados físicos da água para fundamentar explicações a cerca do ciclo da água;
·        Comparação de diferentes misturas na natureza identificando a presença da água, para caracterizá-la como solvente;
·        Elaboração de perguntas e suposições sobre as relações dos componentes dos ambientes;
·        Busca de coletas de informações por meio de observação direta e indireta, experimentação, entrevistas, visitas, leituras de imagens e textos selecionados;
·        Utilização da revista:  Alimentação   Saudável.  (criança saudável educação dez )  FOME   ZERO.
·        Organização e registro de informações por intermédio de desenhos, quadros, tabelas, esquemas, listas, textos e maquetes;
·        Confirmação das suposições individuais e coletivas com as informações obtidas;
·        Buscar informações por meio de observações, experimentações ou outras formas, e registrá-las, trabalhando em pequenos grupos, seguindo um roteiro preparado pelo professor, ou pelo professor em conjunto com os alunos.                                                            

 AVALIAÇÃO

         O Processo de Avaliação será contínua  através da observação, do desenvolvimento, integração e compreensão dos conteúdos e  registros que poderão fazer parte do portfólio, analisando se o aluno atingiu os seguintes critérios:

BIBLIOGRAFIA:

·        Coleção Recriação / Recreação Editora IBEP;
·        Coleção Maneira Lúdica de ensinar Editora FAPI;
·        Coleção Soletrando Projeto IEMAR;
·        Livro Caminhos da ciências uma abordagem sócioconstrutivista IBEP
·        Livro Um Jeito de aprender Editora FTD;
·        Livro Projeto Pitanguá Editora Moderna;
·        Apostilas Dom Bosco e Objetivo;
·        Outras pesquisas e autores;
·        Internet.


“Este plano é flexível podendo haver alterações no decorrer do ano.”

PLANO DE ENSINO

3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL

Professora: Fernanda de Melo Gerez

ARTES

                  A Arte como Conhecimento.O primeiro registro de arte pode ter sido um desenho do sol na areia, mas o que se conhece é o que o homem registrou em cavernas. Essas formas viscerais simbolizam um cotidiano difícil, peculiar, mas ao mesmo tempo misterioso, espécie de ensaio e erro na elaboração de uma escrita, não apenas no sentido de palavras e números, mas também das várias linguagens artísticas futuras que hoje percebemos como marca profunda que reflete os primórdios da história da humanidade. São elas que nos oferecem possibilidades de criar diferentes alternativas para melhorar a existência do homem. Através das diferentes manifestações artísticas o ser humano tem a possibilidade de conhecer outras realidades sem nunca ter estado no lugar. A necessidade de transcendência que o ser humano tanto procura é possível através do conhecimento e compreensão da cultura.

OBJETIVOS:

O ensino da Arte deverá organizar-se de modo que, no final do ano, os alunos sejam capazes de:
·        expressar e saber comunicar-se em artes mantendo uma atitude de busca pessoal e /ou coletiva, articulando a percepção, a imaginação, a emoção, a sensibilidade e a reflexão ao realizar e fluir produções artísticas;
·        interagir com materiais, instrumentos e procedimentos variados em artes (Artes Visuais, Dança, Música, Teatro), experimentando-os e conhecendo-os de modo a utilizá-los nos trabalhos pessoais;
·        edificar uma relação de autoconfiança com a produção artística pessoal e conhecimento estético, respeitando a própria produção e a dos colegas, no percurso de criação que abriga uma multiplicidade de procedimentos e soluções;
·        compreender e saber identificar a arte como fato histórico e contextualizado nas diversas culturas, conhecendo respeitando e podendo observar as produções presentes no entorno, assim como as demais do patrimônio cultural e do universo natural, identificando a existência de diferenças nos padrões artísticos e estéticos;
·        observar relações entre o homem e  a realidade com interesse e curiosidade, exercitando a discussão, indagando, argumentando e apreciando arte de modo sensível;
·        compreender e saber identificar aspectos da função e dos resultados do trabalho do artista, reconhecendo, em sua própria experiência de aprendiz, aspectos do processo percorrido pelo artista;
·        buscar e saber organizar informações sobre a arte em contato com artistas, documentos, acervos no espaço da escola e fora dela  (livros, revistas, jornais, ilustrações, diapositivos, vídeos, cds, cartazes) e acervos públicos (museus, galerias, centros de culturas, bibliotecas, fonotecas, videotecas, cinematecas), reconhecendo e compreendendo a variedade dos produtos artísticos e concepções estéticas presentes na história das diferentes culturas e etnias.

CONTEÚDOS:

·        Identidade Quem Sou?
·        Datas Comemorativas com técnicas.
·        Histórias em quadrinhos.
·        Releitura de obras de artes.
·        Conhecendo o Artista.
·        Leitura de imagens.
·        Ampliação e Redução de figuras
·        Montagem de objetos.
·        Apreciando e Reproduzindo Expressões.
·        Fazendo Arte na Festa Junina mosaico e vitrais.
·        Técnicas de pintura com materiais diversos.
·        Tecelagem.
·        Colagem inversão.
·        Artesanato.
·        Músicas ritmos variados.
·        Técnica de relaxamento.
·        Dobradura e Origami.
·        Ilustração de livros, histórias e textos.
·        Ponto, linha.
·        Tipos de desenho.
·        Polígonos.
·        Figura humana.
·        Figuras Geométricas.
·        A cor.
·        Colagem dinâmica.
·        História da Arte.
·        Coordenação motora e firmeza de traço.
·        Caricatura conhecendo a técnica.
·        Desenho decorativo em faixa.
·        Seqüência de história.
·        Projeto Leitura.
·        Filmes.
·        Entre outros.


ESTRATÉGIAS:

·        As artes visuais no fazer dos alunos: desenho, pintura, colagem, escultura, gravura, modelagem, histórias em quadrinhos.
·        Criação e construção de formas plásticas e visuais em espaços diversos (bidimensional e tridimensional).
·        Observação e análise das formas que produz e do processo pessoal nas suas correlações com as produções dos colegas.
·        Reconhecimento e utilização dos elementos da linguagem visual representando, expressando e comunicando por imagens: desenho, pintura, gravura, modelagem, escultura, colagem, construção.
·        Convivência com produções visuais (originais e reproduzidas) e suas concepções estéticas nas diferentes culturas (regional, nacional e internacional).
·        Identificação dos significados expressivos e comunicativos das formas visuais.
·        Identificação e reconhecimento de algumas técnicas presentes nas obras visuais.
·        Fala, escritos e outros registros (gráfico, áudio gráfico,  pictórico, sonoro, dramático, vídeo gráfico ) sobre as questões trabalhadas na apreciação de imagens.
·        Observação, estudo e compreensão de diferentes obras de artes visuais, artistas e movimentos artísticos produzidos em diversas culturas  (regional, nacional e internacional) em diferentes tempos da história.
·        Reconhecimento da importância das artes visuais na sociedade e na vida dos indivíduos.
·        Contato freqüente, leitura e discussão do texto simples, imagens e informações orais sobre artistas, suas biografias e suas produções.
·        Reconhecimento e valorização social da organização de sistemas para documentação, preservação e divulgação de bens culturais.
·        Experimentação na movimentação considerando as mudanças de velocidade, de tempo, de       ritmo e o desenho do corpo no espaço.
·        Improvisação, inventando, registrando e repetindo seqüência de movimentos criados.
·        Seleção de gestos e movimentos observados em dança, imitando recriando, mantendo suas características individuais.
·        Seleção e organização de movimentos para a criação de pequenas coreografias.
·        Reconhecimento e desenvolvimento da expressão em dança.
·        Reconhecimento e identificação das qualidades individuais de movimento, observando os outros alunos, aceitando a natureza e o desempenho motriz de cada um.
·        Improvisação e criação de seqüência de movimento com os outros alunos.
·        Reconhecimento e exploração de espaço em duplas ou outros tipos de formação em grupos.
·        Integração e comunicação com os outros por meio dos gestos e dos movimentos.
·        Criação de movimentos em duplas ou grupos opondo qualidades de movimentos (leves e pesados, rápidos e lento, direto e sinuoso, alto e baixo).
·        Reconhecimento e distinção das diversas modalidades de movimento e suas combinações como são apresentadas nos vários estilos de dança.         
·        Identificação dos produtores em dança como agentes sociais em diferentes épocas e culturas.
·        Interpretações de músicas existentes vivenciando um processo de expressão individual ou grupal, dentro e fora da escola.
·        Percepção e identificação dos elementos da linguagem musical (motivos, forma, estilos, gêneros, sonoridades, dinâmica, texturas, etc.) em atividades de apreciação, explicitando-os por meio da voz, do corpo, de materiais sonoros disponíveis, de notações ou de representações diversas.
·        Observação e discussão de estratégias pessoais e dos colegas em atividades de apreciação.
·        Discussão de características expressivas e da intencionalidade de compositores e intérpretes em atividades de apreciação e associação dessas reações a aspectos da obra apreciada.
·        Músicos como agentes sociais: vidas, épocas e produções.
·        A música e sua importância na sociedade e na vida dos indivíduos.
·        Os sons ambientais, naturais e outros, de diferentes épocas e lugares e sua influência na música e na vida das pessoas.
·        Reconhecimento e integração com os colegas na elaboração de cenas e na improvisação teatral.

AVALIAÇÃO

O processo de avaliação será contínuo, através da observação do desenvolvimento das atividades propostas, bem como pela participação dos alunos. Serão realizados registros freqüentes relativos ao andamento da classe.

BIBLIOGRAFIA:

·        Livro Educação Artística editora ática;
·        Livro Educação Artística Reviver Nossa Arte 2 Editora Scipione;
·        Livro Educação Plástica IBEP;
·        Livro Criança e Arte Descobrindo as artes visuais Editora Ática;
·        Livro Atividades de Educação Artística Editora Ática;
·        Livro Mestres das artes Editora Moderna;
·        Outras pesquisas e autores;
·        Internet.



“Este plano é flexível podendo haver alterações no decorrer do ano.”